Atendimento

Sobre a consulta psiquiátrica

É comum os pacientes me relatarem na primeira consulta que já gostariam de ter visto um psiquiatra há muito mais tempo, mas tinham receio. Os medos são variados, e vão desde: “não sabia o que devia falar na consulta”, “tenho vergonha de falar a respeito de algumas coisas”, a “tenho medo de ter que tomar remédio”, “medo de ficar dependente da medicação”, “de ter um diagnóstico muito grave”, etc.

Imagem Atendimento

E muitas vezes, embora a maioria tenha vergonha de admitir, existe o medo de se consultar com um profissional que não vai entendê-lo ou que vai julgá-lo, deixa-lo constrangido ou não vai indicar um tratamento adequado.

Todos esses receios são válidos, e por isso acho importante esclarecer alguns pontos:

  1. A consulta psiquiátrica é uma consulta médica, como qualquer outra consulta, de outras especialidades. Claro que tem uma particularidade de que muitas vezes o paciente acaba falando de coisas mais pessoais do que em outras consultas, mas ele não é obrigado a fazer isso se não se sentir a vontade. E se ele não souber o que falar, o psiquiatra vai fazendo as perguntas a respeito do que ele está sentindo, e ele responde como quiser, da forma que se sentir a vontade.
  2. A medicação pode ser um grande auxílio. Muitos pacientes tem medo de “ter que” tomar a medicação. Em alguns transtornos psiquiátricos de fato a medicação vai ser necessária, mas isso não é uma regra absoluta. Em alguns casos existem outras alternativas a serem tentadas antes, principalmente se o quadro for mais leve. Mas o problema é que a tendência é que quanto maior a demora em procurar ajuda, maior a gravidade quando chega na consulta, então é importante ficar atento a isso.
  3. A maioria das medicações não causa dependência. Apenas algumas classes de medicações tem potencial de abuso ou dependência, mas são a minoria. As medicações que tem risco de abuso ou dependência são as de tarja preta. A maioria das medicações que usamos tem a tarja vermelha, e não tem potencial de abuso ou dependência. Mesmo no caso das medicações que possuem esse risco, existem maneiras de o minimizarmos, portanto é sempre importante seguir as orientações do médico quando for usar.
  4. O diagnóstico não deve ser levado como um “rótulo”. O diagnóstico é um instrumento que utilizamos para “falarmos a mesma língua”, ou seja, ele nos ajuda no entendimento dos casos, ajuda a padronizar condutas, estimar prevalência na população, evolução, etc. Mas muitas vezes notamos que o paciente encara aquele diagnóstico como uma sentença, e ele não deve ser levado dessa forma. Diagnóstico não diz gravidade, não diz prognóstico, nada disso, e cada caso é um caso. Não se deixe impressionar por isso, e sempre que tiver dúvidas, converse com seu médico. Não tenha vergonha de fazer todas as perguntas necessárias para você entender o que você está passando.
  5. A base do tratamento psiquiátrico é a confiança e o vínculo. Quando uma pessoa decide procurar um atendimento psiquiátrico, é frequente que ela esteja atravessando o pior momento de sua vida, e portanto está muito fragilizada. Por isso é compreensível que ela se sinta insegura e com medo do que vai encontrar. É fundamental que ela seja tratada com respeito e empatia, para que ele se sinta compreendida e tenha confiança no tratamento.
Imagem Doutora Maria Antonia

Dra. Maria Antonia Simões Rego

Psiquiatra | CRM 135063
RQE 46406

Olá, eu sou a Maria Antônia, médica formada em 2008 pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – USP.

Logo em 2009, iniciei a minha Residência Médica em Psiquiatria pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital da FMUSP, na qual permaneci até 2012.

quer entrar
Em contato?

Blog

Todo Comportamento Excessivo é uma Doença?

Todo Comportamento Excessivo é uma Doença?

Todo comportamento humano, inclusive os fisiológicos, como a necessidade de comer, pode virar uma patologia (um problema de saúde) quando feito de maneira excessiva.⠀⠀ O que isso quer dizer? Quer dizer que um comportamento normal pode virar um problema diante do...

ler mais
Como Incorporar Novos Hábitos Com Menos Dificuldade

Como Incorporar Novos Hábitos Com Menos Dificuldade

O “novo” quase sempre tem duas faces. Para alguns, o novo é algo fácil de ser aplicado. Mas para outras pessoas, o novo causa receio, dificuldade. E não podemos ignorar que, quando uma pessoa tenta começar um novo hábito em sua vida, e não consegue, ela fica...

ler mais
Transtornos Alimentares em Tempos de Pandemia

Transtornos Alimentares em Tempos de Pandemia

Instabilidade emocional, incertezas, solidão, falta de controle e outras emoções desgastantes, infelizmente, já conhecidas por algumas pessoas, porém, com a pandemia tudo se intensificou. Só que, para algumas, todos esses sentimentos são refletidos na alimentação....

ler mais
Open chat